A cerimónia de entrega do Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes terá lugar amanhã, dia 15 de dezembro, pelas 16h00, no Salão Nobre do edifício dos Paços do Concelho. António Carlos Cortez é o vencedor desta edição com a obra “Dor Concreta”, editado pela Tinta-da-China. O prémio, no montante de 12.500 euros (doze mil e quinhentos euros), resulta da parceria entre o Município de Amarante e a Associação Portuguesa de Escritores (APE).

Com o objetivo de homenagear e perpetuar a memória de Teixeira de Pascoaes, o Grande Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes destina-se a galardoar, anualmente, uma obra em português e de um autor português. Este ano foram admitidas obras publicadas em 2016 e 2017.

Na sua deliberação, tomada por unanimidade, o Júri, constituído por Daniel Jonas, Isabel Cristina Mateus e José Manuel Mendes, justifica a escolha da obra com “a solidez de um percurso que, evoluindo, se reconfigura em cada momento, caminhando para um depuramento crescente da linguagem poética.”

Após a cerimónia seguir-se-á a deposição de flores na Estátua de Teixeira de Pascoaes e descerramento da placa alusiva a esta edição, na Biblioteca Municipal Albano Sardoeira.

 António Carlos Cortez
Nasceu em Lisboa, em 1976, é poeta, ensaísta e professor de literatura portuguesa e português no Colégio Moderno, em Lisboa. O poeta é ainda investigador do Centro de Literatura de Expressão Portuguesa e Lusófona da Universidade de Lisboa (CLEPUL), consultor do Plano Nacional de Leitura, do Clube UNESCO para a Literatura em Portugal e crítico de poesia do Jornal de Letras e das revistas Colóquio/Letras e Relâmpago.